Erros numa obra sobre o Nacional-Sindicalismo

Por Barradas de Oliveira (in “A Rua”, 19/04/79)

Foi pena que o dr. João Medina, ao esforçar-se em carrear materiais para uma série de artigos sobre história contemporânea, agora reunidos em volume (“Salazar e o fascismo”), visse os seus trabalhos coroados por um livro descuidado, cheio de inexactidões e sem mostras de compreensão do meio e das circunstâncias em que os factos ocorreram e as pessoas agiram. Poderia ter feito uma obra útil. Saiu-lhe um panfleto atrabiliário.

O Nacional Sindicalismo aparece ali como construção delineada em abstracto, como se não fora, e na realidade foi, uma resultante das condições políticas e sociais daquele princípio dos anos trinta. O próprio dr. Rolão Preto, que tão amavelmente recebeu o autor na sua quinta da serra e lhe concedeu longa entrevista, aparece como figura contraditória e tristemente confusa. Monsaraz, o heróico e sacrificado Monsaraz, poeta e jornalista, cuja saúde e cuja fortuna sofreram com o serviço do seu ideal, é tratado como se fora um sujeito de segunda ordem.

Tiveram os dois nacionais sindicalistas, mesmo assim, muita sorte no tratamento, o que não sucedeu com Salazar, que é crivado de epítetos desagradáveis. Gomes da Costa, o mais prestigioso dos generais portugueses do seu tempo, que escrevia bem e deixou páginas de merecimento, e que pintava talvez com desvelo igual ao que o dr. João Medina empregará nas suas colagens, Gomes da Costa é apelidado de “pobre tarimbeiro”. E o dr. Manuel Anselmo é tratado desta maneira elegante: "Um antigo revolucionário convertido à Revolução Nacionalista e desde então transformado em peniculário desta".

Deixemos isso e vejamos algumas das inexactidões.

A pág. 12: “…Rolão Preto, inspirando-se nos fascismos europeus e nas experiências próximas dum Onésimo Redondo, dum Ledesma Ramos ou dum José António Primo de Rivera (fundador da Falange em 1933, associando-se então aos dois precedentes, todos eles mortos aliás durante a guerra civil em Espanha), criara em 1932 a especial dissidência integralista conhecida por Nacional Sindicalismo…”

Corrigenda: A iniciativa da criação do Movimento Nacional Sindicalista partiu de um grupo de estudantes de Lisboa, que em 15 de Fevereiro de 1932 lançara o jornal Revolução, “diário académico nacionalista da tarde” e, em face do ambiente de adesão entusiástica encontrado, resolvera primeiro alargar o âmbito do jornal e, depois, lançar a organização, elegendo dirigente principal desta a pessoa que já havia chamado para director do jornal.

Houvera, anteriormente a esse jornal e por via de outro, contactos entre jovens desse grupo de estudantes portugueses e os espanhóis da “Conquista del Estado”, jornal que foi a da organização criada em 1931 por Ledesma Ramos e que em Fevereiro de 1934 se fundiria com a Falange espanhola para dar origem à F.E. de las J.O.N.S. Esses contactos, porém, cortaram-nos os portugueses em face da tendência iberista dos espanhóis. Estes não tiveram nenhuma influência no aparecimento do Nacional-Sindicalismo português.

Ainda a pág. 12: “…no diário Revolução, o qual, editado por José de Almeida Carvalho e tendo como redactores António Pedro, Chaves de Almeida, Alberto de Monsaraz, António Tinoco e outros, passaria a ser dirigida pelo próprio fundador do movimento a partir de 28 de Maio de 1932…”

Corrigenda: o diário Revolução aparecido em 15 de Fevereiro de 1932 tinha como redactores: António do Amaral Pyrrait, António Pedro, António de Sousa Rego e Dutra Faria. Eram estes os nomes que figuravam no cabeçalho e ali continuavam quando em 14 de Março o jornal aumentou de formato. Em 30 de Abril anunciou a suspensão para reaparecer em 14 de Maio, dirigido pelo dr. Rolão Preto, que já vinha, desde alguns dias antes, a firmar os artigos de fundo. Reapareceu, porém, só em 28 de Maio.

A decisão de aumentar o jornal em número de páginas e diversificação de secções foi tomada pelo grupo fundador que não era apenas constituído pelos cinco que figuravam no cabeçalho. Entendeu-se que o ambiente encontrado exigia um jornal maior e para a direcção deste um nome já consagrado.

Foi em 19 de Julho que um artigo de Rolão, com o título "O Nacionalismo Sindical" a toda a largura da 1ª página, apontava para um sentido de organização. Em 22, e também a toda a largura da 1ª página, pela primeira vez, a expressão Nacional Sindicalismo a apoiar uma atitude do dr. Ribeiro Cardoso. A sugestão do nome, que seria o do Movimento, partiu de António Pedro, que, por sinal, era ao tempo chefe da redacção do jornal.

Isto é dizer: Rolão Preto não foi um nacional-sindicalista influenciado por espanhóis, italianos e alemães, que apareceu como tal a fundar um jornal e organizar um movimento político. Foi antes um nacionalista chamado por um grupo de rapazes a dirigir um jornal que eles fundaram e depois escolhido também por eles para chefiar um movimento político que foi obra do entusiasmo de todos.

Hoje ficamos por aqui.

Comentários

Sem comentários

Adicionar Comentários

Este post não permite comentários