José António Primo de Rivera

Por Rolão Preto

Foi no mês de Novembro de 34 que eu conheci, em Madrid, José António Primo de Rivera.

Rara e estranha figura de revolucionário que sabia aliar, com elegância extrema, e irreverente audácia do “frounder” à natural e requintada gentileza do Grande de España.

Nervoso, espiritual, culto, José António seduzia logo ao primeiro encontro, pelo encanto com que emanavam, da sua personalidade, confiança e fé, através de altos conceitos intelectuais das mais pura linhagem europeia e revolucionária.

Estou ainda a ver com que avidez ele escutava e absorvia qualquer ideia que lhe despertasse sentimentos inéditos numa visão mais audaciosa da vida e da esperança humana. Então os olhos, os seus largos olhos profundos, alargavam-se ainda mais, como janelas que se abrissem de par em par, a fim de que entrassem por elas, sem entraves, livre e benéfica, a clara luz do sol.

Conversamos muito. Trabalhamos bastante, em poucas horas. Talvez que de tantos amigos que lhe recolheram, dia a dia, o pensamento generoso, poucos tenham, como eu, bem sentido a verdadeira projecção dessa bela alma.

Toda a sua batalha política levava-a de vencida como um apostolado. Amava as Ideias, no verdadeiro sentido desta palavra amar, isto é, devotava-se-lhes totalmente.

Por isso, o seu pensamento surge-nos sempre como penetrado duma mística poderosa, iluminada pelos reflexos interiores da sua sensibilidade admirável.

Era um crente, antes de ser um soldado.

Pobre José António! Como não considerar, num constrangimento de angústia, a ingratidão, a injustiça do destino para com este homem singular, o rude e incansável semeador que não chegou a contemplar a seara doirada, a alta e ondulante seara doirada, que, com tanto amor, com tanta fé, sonhara e entrevira…

Um Estado Nacional-Sindicalista, uma Revolução que toma os vinte e sete mandamentos por bandeira, Ó José António! Eis o teu sonho a quem tu, generosamente, concedeste tudo, tudo até a própria vida.

Jamais, jamais se me apagará na memória a figura esbelta, viril, triunfante, de José António Primo de Rivera.

Ei-lo, aprumado, enquadrado na porta de sua casa na Calle Serrano, despedindo-se de mim, braço ao alto, tranquilo e forte – romanamente!

Até sempre, disse… Neste mundo, era até nunca mais!

O sentido da Revolução nas Ideias de José António

Andaram, Santo Deus, bem rápidos os tempos. Em 34, o movimento Nacional-Sindicalista Espanhol não contava ainda trinta mil filiados, vivia sem imprensa, debaixo da coacção implacável dum governo conservador e num ambiente meio de troça, meio de hostilidade, de quase todos os sectores políticos do país.

Agora é ele, senão todo o corpo, a alma quase toda da revolução nacionalista.

Na grandeza desse milagre se mede o valor da obra espiritual de Primo de Rivera. Sem desdouro pela acção ardorosa e viva de chefes N.S., como Sancho d’Avila, Onésimo Redondo, Ximenez Caballero, Ruiz de Alda, e tantos outros, a verdade é que a grande e esplêndida seara de energias e almas moças que enche, de norte a sul, a Espanha Nacionalista é no fundo, afinal, toda a projecção do pensamento de José António, forte, dinâmico, fecundo…

Orador de raça, os seus discursos vibrantes, magníficos, foram a principal alavanca dos espíritos mobilizando-os em juventude e esperança…

Em toda essas páginas sempre passa e repassa com brilho o ardor, a chama íntima do seu ideário, ensinando um caminho, comandando uma marcha…

José António compreendeu e sentiu, como raros no seu tempo, toda a extensão, todas as modalidades do pensamento revolucionário. Eis, com efeito, como através das suas palavras, o perfil da Revolução, duro mas justo, se esboça e claramente se grava na retina mental de todos os homens de boa vontade.

Um milagre da Mística Revolucionária

Eis, pois, um movimento constituído, na sua maior parte, por gente humilde: estudantes, operários, militares; sem intelectuais, pois exceptuando um ou dois escritores, com pouca “prise” no público, o movimento da Falange Española de las J.O.N.S. (Juntas Ofensivas Nacional-Sindicalistas), não tinha ao seu serviço os consagrados na imprensa e cresceu sobre o fogo cruzado de todas as perseguições do poder e de todas as hostilidades dos sectores políticos. Esse movimento, sem nenhuma probabilidade de vingar, ao menos encarando-o pelo prisma usual da velha lógica política, esse movimento assume, subitamente, tais proporções que ei-lo, hoje em dia, fundamento essencial da nova política espanhola.

Este milagre, que é indiscutível, quer se aceite, quer não, o pensamento que o criou, surge-nos em sua evidência como um puro milagre do espírito.

Quando as dificuldades se avolumam, somando-se umas às outras num ambiente inteiramente contrário à marcha do movimento Nacional-Sindicalista, José António tinha sempre para os amigos que, apressados e inquietos o interrogavam, estas palavras proféticas, mas seguras: Nós somos a reserva moral de Espanha. Não a comprometamos. A nossa hora há-de soar.

E, de facto, soou…

Dir-se-á que foram as circunstâncias que a apressaram? Foram-no, por certo. Simplesmente, quem deu à Espanha Nacionalista as possibilidades de que essas circunstâncias tivessem “uma saída”, uma finalidade favorável, foi a acção, vigorosa e iluminada, de José António.

Foi a sua mística.

Foi ele que, quanto mais densa se tornava a treva das inquietações e cepticismo, mais alto gritava a sua fé, a sua esperança nos destinos da causa que elegera. E essa fé, a sua esperança, não eram a cega obstinação dum visionário, mas sim a clara intuição dum revoltado, para quem o mundo só pode regenerar-se e salvar-se na justiça saída da Revolução.

Debalde lhe propunham manobras, conluios partidários, em que o jogo de alianças com as direitas lhe tornaria o caminho bem mais fácil.

A isso respondia Rivera:

“No podemos estar en ningún grupo que tenga, más o menos ocultos, o propósitos reaccionarios, o propósitos contrarrevolucionarios, porque nosotros, precisamente, alegamos contra el 14 de Abril, no el que fuese violento, no es que fuese incomodo, sino el que fuese estéril, el que frustrase, una vez más, la revolución pendiente Española.”

E, assim, quando as direitas se organizam em bloco para as eleições contra a “Frente Popular”, José António nega-se, terminantemente, a formar a seu lado, e prefere ir, certo da derrota, mas tranquilo de consciência, sozinho e independente, à batalha eleitoral.

Só, no seu sector, era, com efeito, a única posição Nacional-Sindicalista, para que se vincasse bem, no espírito de Espanha, o significado do seu protesto.

“Esta jornada, camaradas, - dizia Rivera -, tiene la virtud de ser difícil; nuestra misión es la más difícil; por eso la hemos elegido y por eso es fecunda. Tenemos en contra a todos; à los revolucionarios de 14 de Abril, que se obstinan en deformarnos y nos seguirán deformando, después de estas palabras bastante claras… e de otra parte à los contrarrevolucionarios, porque esperaron, al principio, que nosotros viniéramos a ser la avanzada de sus intereses en riesgo y entonces se ofrecían a protegernos y a asistirnos y hasta a darnos alguna moneda, y ahora se vuelven locos de desesperación al ver que lo que creían la vanguardia se ha convertido en el Ejercito entero independiente.”

Foi esta independência, esta confiança segura no futuro, para além de todos os conformismos, de todos os obstáculos do momento, que se ergueram à consideração de muitos, o movimento N.S. marcando-lhe para sempre, o seu lugar e o seu posto de honra na história do país.

É certo que, ao mesmo tempo, se erguiam contra ele os protestos duma opinião desorientada, mas a marcha prosseguia e prosseguia revolucionariamente.

Assim, era agora o chefe do N.S. que, defendendo a necessidade duma reforma agrária, proclamava “monstruoso” que aqueles que protestam contra tal reforma “aleguen solos títulos de derecho patrimonial, como si los de enfrente, los que reclaman, desde su hambre de siglos, aspirasen a una posición patrimonial y no a la integra posibilidad de vivir como seres religiosos e humanos.”

Mais adiante, e esta foi a posição culminante contra a qual se desbocaram todas as cóleras dos conservadores enfurecidos:

“El procedimiento de desarticulación del capitalismo es simplemente este: declarar cancelada la obligación de pagar la renta.”

“Bolchevista!” foi a palavra candente que se ergueu dos sectores interessados, para esmagar, numa condenação definitiva, o ousado paladino. “Bolchevista”, gritou-se por toda a parte apontando-o como um perigo social, um inimigo da ordem, um corifeu da subversão de Espanha.

José António não se contém mais e escreve, nessa altura, aquela famosa carta ao A.B.C. “Palabras de un Bolchevique”, onde, entre outras coisas, se dizia:

“Donde el antibolchevismo es, cabalmente, la posición que contempla el mundo bajo el signo de lo espiritual. Estas dos actitudes, que hoy se llaman bolchevismo e antibolchevismo, han existido siempre. Bolchevique es todo el que aspira a lograr ventajas materiales para si e para los suyos caiga lo que caiga; antibolchevique el que está dispuesto a privarse de goces materiales para sostener valores de calidad espiritual. Los viejos nobles, que por la religión, por la patria y por el Rey comprometían vidas y haciendas, eran la negación del bolchevismo. Los que hoy, ante un sistema capitalista que cruje, sacrificamos comodidades e ventajas por lograr un reajuste del mundo sin que naufrague lo espiritual, somos la negación del bolchevismo. Quizá por nuestro esfuerzo, hoy tan vituperado logremos consolidar unos siglos de vida menos lujosa para los elegidos, pero que no transcurra bajo el signo de la ferocidad y de la blasfemia. En cambio, los que se aferran al goce, sin término, de opulencias gratuitas, los que reputan más urgente la satisfacción de sus últimas superfluidades que el socorro del hambre de un pueblo, esos si que, intérpretes materialistas del mundo, son los verdaderos bolcheviques. Y con un bolchevismo de espantoso refinamiento: el bolchevismo de los privilegiados.”

Luta titânica, luta dura e ingente para dar um pouco de luz à Espanha, para rasgar uma pequena fresta na espessa e rija muralha do seu “feudalismo”.

Luta dolorosa e longa, da qual vai saindo sem cessar, mais alta e dominadora, a figura do Chefe Nacional-Sindicalista e donde dimanam, cada vez mais fortes, os eflúvios dinâmicos da Revolução em marcha.

Atrás dela se cria e robustece o espírito de sacrifício, a firme intenção de vencer, lutando; numa palavra, a admirável mística N.S. que vai transformar todo o quadro dos acontecimentos espanhóis.

E agora a Falange, arrebatada, vai marchar ao assalto, cantando:

Cara al sol, con la camisa nueva
que tu bordaste, en rojo, ayer
.. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. .. ..
Arriba escuadras, a vencer!
Que en España empieza amanecer.

A sorte estava lançada.

Comentários

Sem comentários

Adicionar Comentários

Este post não permite comentários