Ética Revolucionária

O texto que agora apresentamos foi editado pelo já extinto CEDADE (Círculo Espanhol De Amigos Da Europa) como uma norma de ética e comportamento para os seus membros. Apesar dos anos que já passaram desde a sua edição (1978), consideramos que grande parte deste texto continua válido, especialmente nos dias de hoje em que cada vez mais as pessoas adoram o deus-dinheiro e se esquecem dos valores pelos quais realmente deveriam pautar as suas vidas.

Tentamos traduzir este texto fielmente, talvez não literalmente, mas pelo menos no seu espírito.


- Nota do Tradutor

I – MORAL

1 - Mantém o teu espírito de fora das correntes da moda e acima das críticas dos vendidos ao sistema. Apenas assim poderás conservar o juízo claro para lutar.
2 - Mantém o teu cérebro sempre activo. Não sejas ocioso. Contribui para a saúde do teu corpo mantendo a mente clara. Elege bem as tuas leituras ou pede conselhos a pessoas da tua confiança. Escreve, medita, estuda.
3 - Tem fé. A fé é um património que não te podem roubar. Tu és a única arma invencível. Contra o poder do dinheiro e a depravação materialista, levanta a chama da tua fé na vitória final.
4 - A fé não se raciocina. Não se chega a ela pela ciência ou pela razão. A fé leva-la no sangue e na alma e provém do Todo-poderoso. Só tens de cultivá-la e deixar que germine.
5 - Mantém-te à margem da propaganda burguesa e democrática. Os jornais, as revistas, o cinema, a televisão, estão impregnados de cepticismo, materialismo e numerosos valores negativos. Lê e difunde a imprensa Nacional Revolucionária que denuncie a hipocrisia do sistema.
6 - Despreza o traidor. O traidor carece de honra e é portanto indigno de ser tratado como um ser humano.
7 - Sê valente. Um carácter débil é facilmente vulnerável.
8 - Não confundas a valentia com inconsciência ou temeridade. Aquela é fruto da maturidade de um homem. Estas últimas são o reflexo de uma mente infantil.
9 - Despreza o cobarde, a cobardia é uma debilidade. O valente também tem medo, mas possui a força espiritual suficiente para vencê-lo. O cobarde é egoísta, pois assegura a sua própria integridade à custa dos demais.
10 - Respeita o inimigo sempre que ele seja digno de tal. Despreza o inimigo que não seja nobre.
11 - Não te deixes iludir por falsas concessões desta decadente “democracia” partidocrática. Não se trata de recuperar o que está podre, mas sim de promover aquilo que é são. Para que é que queres uma parcela do poder se podes criar um mundo novo?
12 - Mantém uma norma de conduta recta e nunca a abandones. Ao renunciares a um princípio pela dificuldade que ele implica, estarás a trair-te a ti próprio.
13 - Que haja coerência entre os teus pensamentos e as tuas acções. De contrário começas a viver como não pensas e acabas a pensar como vives.
14 - Não te deixes influenciar por aquilo que é fácil. Segue sempre o que a tua consciência te dite. Não existem dificuldades insuperáveis.
15 - Não confundas o amor com a mera atracção física. O prazer físico é efémero e, se se busca como único fim, degradante. O amor é altruísmo, negação do próprio ser para formar outro em que se confundem os espíritos dos amantes. Apenas assim o amor é eterno. Entrega-te à pessoa amada de alma e coração.
16 - O amor autêntico é forte, supera toda a penúria e enriquece-se por meio do sacrifício e do esquecimento de nós próprios. Na história, as únicas causas ou empresas que morrem são aquelas pelas quais o homem se nega a morrer.
17 - Respeita sempre o sexo oposto. O homem e a mulher têm valores espirituais que os fazem dignos da mesma admiração. A guerra dos sexos, artificial, pretende esconder que apenas no amor, no respeito e na colaboração mútua, o ser humano encontra a paz anímica e a tranquilidade necessárias para uma vida criadora.
18 - Mantém-te sempre preparado para a luta. Lembra-te que esta se apresenta em cada instante e sob muitas formas. A luta física, uma guerra, é a mais fácil; sabes onde está o inimigo e os objectivos são claros. Mas as modas, as correntes ideológicas de origem obscura, as actividades degradantes, a vida fácil… são inimigos que podem destruir o teu espírito.
19 - Respeita o teu corpo. Tem em mente que um modo de vida decadente é um triunfo do inimigo. Uma figura recta é importante mas não é garantia suficiente, pois pode ocultar debilidades interiores nefastas. Cuida do teu corpo e do teu espírito.
20 - O vício degenera o corpo e o espírito. Evita que ele te domine. Pensa que, quanto mais enraizado esteja, mais difícil te será livrares-te dele. O vício rebaixa a condição humana e afasta-nos do arquétipo ideal para que deveríamos tender.
21 - Luta sempre pela verdade e despreza o mentiroso. A mentira é o refúgio do cobarde.
22 - Procura que a herança que um dia deixes aos teus filhos e aos teus camaradas seja rica em exemplos de nobreza, rectidão, educação, heroísmo e em tudo aquilo que faça da tua memória um modelo de comportamento.

II – ESTILO

1 - Sê discreto. Procura não molestar os teus vizinhos. Que a tua presença não seja notada pelo incómodo que provoca, mas sim pelo contrário.
2 - Não recorras ao extravagante para te fazeres notar. Procura ter uma personalidade suficientemente recta para não teres de recorrer a isso.
3 - Anda asseado e arranjado. O aspecto exterior é o reflexo fiel do nível espiritual da pessoa. Ainda que o hábito não faça o monge, representa-o.
4 - Mantém ordenado o sítio em que habitualmente te encontras. Pensa que as pessoas te julgarão pelo ambiente que te rodeia.
5 - Mas o que realmente importa não é tanto isso, mas sim que qualquer trabalho criativo e a harmonia espiritual não podem desenvolver-se no caos.
6 - Cuida das tuas expressões. Não sejas descortês nem desavergonhado. Não confundas a vivacidade de espírito com impertinência.
7 - Trata de não sujares nem estragares nada, tanto no campo como na cidade. Todo o que te rodeia é património da tua Nação. Não tens direitos exclusivos. Respeita os bens comunitários como se fossem os teus.
8 - Actua em conformidade com as tuas ideias. O inimigo está ansioso por converter os teus erros em armas contra a tua concepção do mundo. E sempre tirará mais proveito dos teus erros dos que dos seus próprios sucessos.
9 - Se agires bem, falarão bem de ti. Mas se agires mal, falarão mal daquilo que representas. Actua sempre em consciência e tendo em conta que julgarão o que simbolizas segundo o teu comportamento.
10 - Sê austero. Nem todas as pessoas podem viver de forma austera. A dureza na tua maneira de viver ensinar-te-á a apreciar as coisas e darás mais valor a tudo, mais do que aquele que tudo tem e tudo provou.
11 - Respeita as bandeiras e os símbolos da tua terra. No pano e no metal de que são feitos, está a ideia que representam. Ser ferido ou morto por defender um símbolo é a sublimação do idealismo. Se chegar a ocasião, não duvides.
12 - Um uniforme não te converte num número, não é um elemento impessoal. Nem as ordens religiosas, nem as organizações juvenis ou militares pretendem homogeneizar o espírito dos seus membros, mas sim ajudar a que se sintam unidos naquilo que têm em comum: o serviço à comunidade.
13 - Pelo contrário este priva-te da tua forma para que seja o teu fundo que te defina. A mentalidade materialista imperante hoje em dia critica as pessoas que ainda possuem o valor pessoal de dar a conhecer o seu ideal de serviço e entrega, vestindo um uniforme característico. Um espírito nobre não depende de uma farda.

III – RAÇA

1 - Mantém a tua raça homogénea. É a primeira garantia para manter uma sociedade equilibrada espiritual, psíquica e socialmente.
2 - Não desprezes as demais raças. O melhor apreço que lhes podes fazer é manter-te separado. Admira os seus valores e aprende as suas virtudes, que são parte de um lado esquecido por nós próprios.
3 - A aparência é o que mais assemelha as diferentes raças, embora sendo tão díspares fisicamente. Não caias no erro de definir a raça só pela cor da pele ou pela textura do cabelo. As verdadeiras diferenças radicam na psique e no espírito.
4 - O mestiço é a nefasta consequência de forçar a natureza a uma mistura entre seres naturalmente diferentes, que já o são culturalmente. Não desprezes ninguém por ser mestiço, pois por cima disso está sempre o factor humano.
5 - A história mostra-nos que a mestiçagem forçada e em grande escala leva irremediavelmente ao caos social e à decadência das culturas. Opõem-te à mestiçagem planificada, que leva irreversivelmente à desaparição das civilizações.
6 - A existência de todas as raças, não apenas da tua, é vontade divina. Só a mestiçagem e o ódio racial promovido pelo sistema são produto da manipulada vontade humana.
7 - Despreza as formas degeneradas de sexualidade. São uma perversão do corpo e da alma, fruto do materialismo. À margem dos irreparáveis danos que causam no espírito, a natureza destina a quem as pratica, a enfermidade e a extinção sem procriação.
8 - Protege a tua descendência. Mais vale que renuncies a ela, do que criar seres defeituosos. Fazer sofrer inocentes, perpetuando neles a tua desgraça, pelo mero prazer pessoal, não é nobre e denuncia uma tremenda irresponsabilidade.
9 - Pratica desporto. Não temas o esforço físico. Com tudo isso, obterás um corpo são e um espírito duro, verás a vida com optimismo e confiança em ti mesmo e educarás a tua vontade.
10 - Cuida do teu corpo. Tem em mente que é o escudo do teu espírito. Um escudo débil rompe-se a meio de um combate e deixa-te sem protecção. Um escudo forte pode ser a tua melhor arma em momentos difíceis.
11 - Respeita a raça, a cultura e a identidade de todos os povos. Ao teu povo, ama-o.

IV – NAÇÃO

1 - Ama a tua Nação. É uma comunidade de homens e mulheres unidos por laços culturais e raciais, que luta por objectivos comuns aos teus.
2 - Não te deixes influenciar por fronteiras artificiais. A Nação é delimitada pela Cultura, Tradição, História em comum e pela Raça, não por umas linhas desenhadas sobra um mapa ou uns meros acidentes geográficos.
3 - Descobre na tua bandeira o símbolo da comunidade a que pertences, um símbolo nascido desta, que reúne todas as virtudes dos homens que se subordinam a ela.
4 - A Nação é um conceito mais étnico do que legal. Não te deixes enganar pelas ideias falsamente igualitárias que pretendem fazer de todos nós cidadãos do mundo, e de cada ser humano, por muito estranha que seja a sua procedência geográfica, histórica, cultural e racial, um membro da tua Nação.
5 - O Nacionalismo tem por objectivo a busca das leis de conservação da própria Nação em harmonia com as demais. Não é um objecto definido e acabado, mas sim moldável ao conteúdo. O importante não é ser Nacionalista porque sim, mas sê-lo porque isso contribui e permite a conservação da vida, a propagação da raça e a elevação do espírito.
6 - A diversidade dos povos do planeta forma parte da grande riqueza da Criação e aqueles que pretendem destruí-la eliminando toda a cultura autóctone, atentam contra a obra do Todo-poderoso.

V – RELIGIÃO

1 - Crê em Deus, Criador de tudo. A estúpida teoria materialista desemboca no grande absurdo de considerar o homem apenas como matéria ou um animal racional, surgido da casualidade e sem esperança de vida futura, negando-lhe todo o sentido transcendente.
2 - Deus não caduca. Opõe os valores eternos às modas passageiras do cepticismo e do materialismo.
3 - Respeita todas as religiões baseadas num princípio transcendente e despreza aquelas que foram edificadas sobre princípios egoístas e de ódio, que conduzem à consideração do homem e do mundo desde um ponto de vista materialista.
4 - Com a fé em Deus a vida está cheia de sentido. Há um futuro que está acima da morte física: pensamentos, sentimentos, planos e acções estão então focados no verdadeiro e último fim do homem, que é a vida depois da morte. Assim, aprendemos a olhar os acontecimentos com uma perspectiva de eternidade.
5 - Carecemos de reflexão. Esta é uma das razões pelas quais na nossa sociedade existem muitas pessoas angustiadas e vazias interiormente. Deixamo-nos levar demasiado pelo ruído e pela acção.
6 - Detém-te para rezar. Temos de nos deter para recuperar a alma. Sempre que possas, pelo menos uma vez por dia, detém-te na acção para falar com Deus. Faz falta o silêncio, sobretudo interior, a paz da alma, uma certa capacidade de dominar a fantasia, uma certa solidão.
7 - Todos sabemos rezar, ainda que alguns acreditem não o saber. Como todos sabemos respirar sem que nos tenham ensinado a fazê-lo. Muitos dos males que nos afligem estão na falta de oração.
8 - Perguntar-se se a oração é necessária é como perguntar-se se há que responder às palavras dos que nos amam.
9 - Se passares por um templo onde soar música bela, pára e entra para conversar com o Criador. Os seres humanos chamam isso de oração. Ainda que um templo não seja uma sala de concertos, a música aproxima-te de Deus.

VI – FAMÍLIA

1 - Respeita a família, pois é a ela que deves a tua existência e dentro dela aprendeste as tuas primeiras lições como homem.
2 - Respeita a autoridade dos teus pais. Escuta os seus conselhos, mantendo no entanto as tuas convicções.
3 - Leva para o teu matrimónio um espírito completo, puro. O amor espiritual não tem lugar num espírito débil ou sem nobreza, porque este é incapaz de ser altruísta. Pensa sempre nos teus.
4 - Educa o teu espírito no altruísmo, prepara-te para o dia em que irás formar a tua própria família. Se nos preocupamos demasiado com nós próprios, não nos restará tempo para os demais.
5 - Apenas de uma união total podem nascer seres completos e equilibrados. A promiscuidade degenera os indivíduos e os seus descendentes.
6 - Só num ambiente de total identificação espiritual poderás viver um matrimónio feliz. Se o amor guia os teus actos, jamais cometerás erros que possam perturbar a felicidade do teu lar. De outra forma, o teu destino será sempre precário, assim como o dos que te rodeiam.
7 - Educa os teus filhos de uma maneira natural. Ajuda-os a conhecer a Natureza. Nela intuirão e aprenderão a existência de um Criador, de uma vida espiritual e do verdadeiro sentido da vida e da beleza.
8 - Sê sempre um modelo de comportamento para os teus filhos. Mantêm sempre o teu espírito jovem, não deixes que envelheça e obscureça. Apenas com o exemplo de uma vida sã e activa poderás guiar os teus próprios filhos. Os teus filhos serão, em parte, como tu és.
9 - Orienta-os no desenvolvimento da sua personalidade, deixando que a iniciativa parta deles.
10 - Recorda que os teus filhos herdarão de ti tanto o bom como o mau. Não lhes deixes uma herança negativa. Não os obrigues a lutar em inferioridade de condições.
11 - Educar correctamente um filho só é possível dando-lhe o exemplo. Não se lhe pode exigir algo que tu não o tenhas exigido previamente a ti próprio.

VII – TRADIÇÃO

1 - Ama a tradição. É a expressão do sentir do Povo, o património espiritual da tua Raça.
2 - Aprende a distinguir o que é a verdadeira tradição, daquilo que são os hábitos adquiridos em determinadas épocas e circunstâncias, impostos por povos alheios à tua cultura, por ideologias perniciosas ou fruto de momentos de decadência. Não confundas a tradição com os costumes.
3 - Estuda e conhece a história da tua Nação. Respeita os seus mortos e aprende com os seus feitos. Segue o exemplo dos actos heróicos e aprende com os erros.
4 - Fixa-te sempre nos melhores. Não faças caso da corrente geral de vacuidade e falsidade. Aprende o melhor dos que tu sabes que são os melhores. Mas sê sempre igual a ti próprio, para algum dia poderes passar algo sinceramente teu.
5 - Sem memória, perdem-se as raízes, sem um projecto perde-se a ilusão. De onde venho e para onde vou, dá sentido à vida. Por isso é importante que respeites a tradição.
6 - O homem é um ser histórico, com um olho fixo no passado e outro dirigido para o futuro. Não aparecemos de repente. Somos um elo na cadeia da estirpe.
7 - Neste mundo todas as construções em harmonia necessitam inevitavelmente de uma espécie de perpetuação contínua das recordações.

VIII – NATUREZA

1 - Ama a natureza. Não a vejas apenas com uma fonte de recursos ou como um instrumento para te distraíres. Recorda que todas as criaturas são obra do Criador e tu és uma delas.
2 - Que não seja apenas a compaixão que te leva a tratares bem os animais. Pela sua condição, é tua obrigação tratá-los com amor e respeito.
3 - Aprende a apreciar o que é belo. A contemplação da natureza ajuda-te a isso. Só quando nos mais insignificantes detalhes da natureza encontrares beleza, só quando compreenderes a infinita perfeição do mais pequeno insecto, poderás ser capaz de guiar os teus gostos por ti próprio.
4 - Forma-te no que é natural. Segue os ensinamentos que a natureza dita e aplica-os à tua condição de homem.
5 - Não te deixes influenciar pelas correntes que se opõem a essas ideias, por mais fortes que essas correntes sejam. A Natureza tem sempre razão, pois segue inexoravelmente os desígnios do Criador.
6 - Leva uma vida sã. Tenta estar sempre em contacto com a Natureza. Vai à montanha, ao mar, passeia nos bosques e desfruta da água cristalina e do ar fresco. Aproveita os benefícios com que a Natureza te brinda.
7 - A caça, a pesca ou quaisquer outras actividades análogas são um absurdo quando não estão justificadas pela subsistência, são um indigno atentado contra a perfeição da vida.

IX – TRABALHO

1 - Ama o trabalho e empenha-te nele. Não sejas um lastro para a tua Nação. Não dependas do trabalho dos demais. Cumpre com a tua obrigação e procura dar o exemplo a quem não o faça.
2 - O trabalho criador é fruto do espírito porque é a expressão artística do trabalhador. Qualquer trabalho realizado com esmero e dedicação é uma obra de arte.
3 - Trabalhar é cultivar o espírito. Um Povo trabalhador não só fortalece a sua economia, mas também consolida a sua essência.
4 - Não existem trabalhos dignos e indignos mas sim bons e maus trabalhadores. As classes baseadas no rendimento económico dos ofícios, são uma artimanha política, injustas e contrárias à natureza humana. As únicas classes que podem existir são as dos que trabalham e as dos que não trabalham.
5 - As únicas riquezas estão na Natureza e no Trabalho, uma enorme e potente força criadora e transformadora. Os juros monetários e a especulação bolsista, são formas fictícias e indignas de criar riqueza, próprias de indivíduos incapazes de realizar um trabalho criador, além de serem perniciosas para o conjunto da Nação.
6 - Uma posição social mais ou menos favorecida ou um trabalho melhor ou pior remunerado não fazem a pessoa mais digna ou indigna. A única aristocracia é a do carácter, não a do dinheiro.
7 - A vocação é a garantia de um trabalho bem realizado. Segue sempre a tua vocação, prescindindo dos benefícios económicos que possas conseguir.

X – ARTE

1 - Cuida do teu espírito, precisamente porque todo o teu ser deve formar uma harmonia. Pensa que só ele é imortal e eterno. A verdadeira arte é um meio ideal para ele.
2 - Conhece a expressão artística da tua civilização. Aprende a sentir a sua arte. As obras de arte são a sublimação do espírito de uma civilização através dos seus génios.
3 - Não te esqueças nunca da diferença que existe entre o que é verdadeiramente artístico e o que é meramente estético. A arte inunda o espírito, penetra no mais profundo do nosso ser. O que é meramente estético fica nos sentidos, agradando a estes, mas sem contribuir para o desenvolvimento do teu carácter.
4 - A arte é uma salvação íntima. Poesia, pintura, escultura, música, literatura, etc., são formas de nos evadirmos do que é banal e de elevar-nos, criando a grandeza em vez de viver na pequenez.
5 - A arte é um sentimento. Mas para o poderes expressar terás de ter capacidade e dedicação, dando por assente a vocação.
6 - Não permitas que te obriguem a aplaudir como arte o que não é mais do que lixo. Existem muitos artistas que se negam a aprender a falar e por isso não fazem mais do que balbuciar. Com isso escondem, na realidade, a sua falta de sensibilidade, capacidade e vocação. E isso não é honesto.
7 - Não desperdices o teu tempo. Ocupa-o na tua formação. Não te deixes levar pela corrente imperante que pretende fazer do homem um ser ignorante, materialista, sem valores superiores. A tua formação é a tua principal arma contra o sistema. Tens de superar a apatia e empreender uma vida activa.
8 - As obras de arte não precisam de ser “explicadas”. O artista só se diferencia dos demais, pela possessão de um conhecimento e de uma técnica específica.
9 - Ama a beleza. Não é nobre odiar a beleza apenas porque não se a possui ou ainda porque não se cultivou a capacidade para admirá-la.

XI – DISCIPLINA

1 - Aceita a disciplina e a autoridade. O caos e a anarquia debilitam o espírito, pois privam-no do esforço e da luta em comunidade.
2 - Respeita a autoridade dos teus Chefes e tem confiança nas suas decisões, ainda que não as entendas. Aquilo que os teus inimigos chamam depreciativamente de fanatismo é uma virtude possuída apenas pelas almas nobres.
3 - Aceitar uma ordem que não se entende não é negar a própria personalidade, mas sim aceitar uma capacidade de decisão superior encarnada em quem dá a ordem.
4 - Respeita o Estado justo. O Estado é a representação do Povo, pelo que exige a tua submissão e a tua confiança. Um Estado que não cumpra aquela condição não merece ser denominado como tal e não existe nada que te sujeite a ele.
5 - Respeita os idosos. A sua idade fá-los merecedores do teu respeito.

XII – ORDEM

1 - Põem ordem na tua vida, aprende a estar organizado e tenta sempre fazer um programa detalhado na noite anterior. É possível que não o cumpras totalmente, mas o mero facto de o redigires ajudar-te-á.
2 - Previne-te de cometer duas calamidades: a pressa e a indecisão. Levanta-te cedo pela manhã, são as melhores horas do dia. E ao anoitecer reserva uns minutos para meditar e tomares as tuas decisões. Se apagares a televisão, sobrar-te-á tempo!
3 - Impõe a ti próprio umas horas de trabalho, outras de exercício físico e desporto, outras de descanso, boa música, etc. Dedica pelo menos dez minutos do teu tempo diário a uma boa leitura. Recorda que se o alimento é necessário à vida do corpo, também a leitura o é para a mente.
4 - Não caias, com o passar dos anos, no erro de converteres a ordem num fim em si próprio e não num caminho para viveres mais próximo da perfeição. Não te esqueças que comer e dormir a horas certas não é um objectivo de vida, mas sim um meio de a ordenares. Entrega-te de alma e coração a uma ideia quando for necessário, a uma conquista, a uma luta, a tudo aquilo que te faça melhor e mais livre.
5 - Aprende a obedecer e um dia, quando tiveres capacidade para isso, serás digno de poder mandar.
6 - Define princípios para a tua vida. E na sua essência não os abandones nunca. Com o tempo o mundo oferecer-te-á bens e prazeres que poderão conquistar-te, inclusive de uma forma justificada, mas que começarão a desfazer lentamente as certezas e a vontade do jovem idealista do princípio.

XIII – CAMARADAGEM

1 - Respeita os teus camaradas. Sê para eles o seu melhor amigo. Não deixes que elementos estranhos vos separem.
2 - Confia na palavra do teu camarada. A nobreza obriga-te a dizer a verdade. Faz com que ele possa confiar em ti.
3 - Foge da má-língua; é o recurso do cobarde. Apenas um cara a cara nobre pode resolver qualquer mal-entendido. Fala francamente diante das pessoas, evitando feri-las.
4 - Ajuda os teus camaradas. Eles estão sempre em primeiro lugar. O egoísmo acarreta a desunião e a ruína. Pensa neles e nas suas necessidades como o fazes para ti próprio.
5 - Uma palavra amável custa muito pouco, menos que uma que não o seja. A amabilidade é um dom precioso que enobrece tanto o que a recebe como o que a dá.
6 - Mantém sempre os teus princípios, mas aceita a opinião dos demais e sê flexível no que é acessório. Se aprenderes a compreender, serás compreendido. Se os princípios são superiores, impor-se-ão por si próprios.
7 - Sê severo contigo próprio e prático para com os demais.
8 - Aceita os homens como são. Não existem outros. Aprende a aceitar-te como és e a aceitar os demais.
9 - É certo que um homem quanto mais se entrega aos demais e menos pensa em si mesmo, mais se aproxima da perfeição e de todos os benefícios de Deus.

XIV – VONTADE

1 - Exercita a tua vontade, põe-te à prova, escolhe sempre o caminho mais duro, mais difícil e mais arriscado. Quem não se arrisca, não se impõem. Assim forjarás um corpo forte e uma vontade inquebrantável.
2 - Sempre em frente. Caminha, não pares. Não deixes que o teu espírito se apague ante uma derrota.
3 - A vida é uma luta contínua que tem sentido se a consagras a fazer o bem, defender a beleza e proclamar a verdade, sem pensar demasiado nas consequências. Tira forças da fraqueza e volta à luta. A vitória chegará com toda a certeza.
4 - A gula, a avareza e a luxúria destroçam o melhor lutador. Sê sempre austero a comer, beber e na tua forma de viver.
5 - Deves combater o sistema, o vício e a corrupção imperantes. Por isso é importante que tenhas coragem e sejas forte contra as armadilhas que te são apresentadas pelo mundo materialista. Deves praticar desporto, fazer do teu corpo uma fortaleza e ao mesmo tempo um instrumento belo e flexível tendente à perfeição e ao serviço da alma.
6 - Ainda que a perfeição completa nunca é possível, procurá-la é sempre um bom caminho.

XV – GUERRA E PAZ

1 - Deseja sempre a paz como o melhor dos bens e não hesites em utilizar a força, se for preciso, para a conseguires. Procura sempre uma paz justa. Um estado de injustiça é um estado de luta.
2 - A guerra é terrível, mas necessária quando com ela se conseguem fins justos que por outra via não seriam possíveis de alcançar. É o último recurso de um povo quando não é livre. Se chegar o caso, não lhe fujas. Luta a pensar nos teus.
3 - Sê nobre na luta. Esta é uma virtude que define a tua raça e que deve prevalecer em todos os momentos. Se assim procederes, até a derrota será uma vitória.
4 - Sê sempre fiel. A fidelidade multiplica milhares de vezes o valor da tua pessoa, enobrece o teu carácter, serve de exemplo aos demais e manter-te-á sempre no caminho correcto.

XVI – CANTAR

1 - Para poder cantar é necessário um estado de ânimo especial, uma harmonia na nossa alma.
2 - Não consegue cantar, aquele que vai cometer um crime, nem aquele que vai cometer uma injustiça e tem a alma endurecida pelas paixões e pelo ódio ou aquele que se encontra carente de fé.
3 - Se não consegues cantar, podes estar seguro que existe alguma enfermidade no fundo da tua alma, ou que a sua pureza se está a perder, preocupada em excesso pelos bens terrenos e as possessões e negócios do mundo.
4 - Se não te conseguires purgar, põe-te de lado, deixa o teu posto a quem puder cantar.
5 - Não desesperemos com a arte, e façamos soar nos campos, nos bosques, nas aldeias, nos lugares de trabalho, nas cidades, e nas famílias as canções populares, nacionais, políticas, tradicionais e religiosas compostas para o Povo e cantadas por todos, unidos num sentimento comum admirável e sublime.

Comentários

Sem comentários

Adicionar Comentários

Este post não permite comentários