A Cruz Céltica: sentido e história

Por Anónimo

Este símbolo bem antigo foi, numa primeira fase, utilizado pelos gauleses, pois estava na posse de uma tradição muito antiga. O seu nome é no entanto muito posterior à sua origem.

A Cruz Céltica é composta por um círculo sobreposto por uma cruz de braços iguais e simboliza o emblema do Sol em marcha e a vida universal. Ela representa a vida, a Nação e a civilização como objecto de crescimento infinito. A Cruz Céltica tem uma grande relação com a roda solar. O esquema mostra-nos um ponto central situado na confluência dos quatro raios perpendiculares que simbolizam os quatro elementos que dão origem à vida: fogo, terra, ar e água. Estes são os elementos presentes em todas as actividades do cosmos. Quando estes elementos circulam, apenas um ponto permanece fixo à margem de todas as contingências: o centro, o homem como portador de valores eternos e imutáveis.

Uma outra interpretação descreve-nos a cruz como a intersecção entre duas linhas, uma vertical e outra horizontal, que dividem o espaço em quatro partes iguais. A linha horizontal representa a vida contingente, que é superada pela linha vertical, representando a ascensão do homem a estados mais altos da sua evolução espiritual.

As quatro proporções do plano em que se divide representam as quatro estações e os quatro reinos do planeta: mineral, vegetal, animal e humano. Também pode representar um dualismo fundamental constituído pela matéria e o espírito, ou o corpo e a alma, que constituem o homem.

Quanto ao círculo, foi criado à imagem e semelhança do Sol, o astro divino. O Sol representa Deus, ou seja a Vida e o Bem. O Sol resguarda o mundo das trevas. O círculo é a figura geométrica perfeita, pois não tem princípio nem fim e no qual todos os seus pontos estão a igual distância do centro, e representam a integração harmoniosa dos valores espirituais nas realidades materiais.

Politicamente a Cruz Céltica surge como símbolo político em França, esquematizado no emblema do Partido Popular Francês de Jaques Doriot. Na sua forma actual foi utilizado pela primeira vez em 1955 e a partir de então não mais deixou de fazer parte das fileiras nacionalistas. No entanto foi a Ordre Nouveau francesa que definitivamente a popularizou e fez com que a sua influência se estendesse a outros países europeu.

Comentários

Sem comentários

Adicionar Comentários

Este post não permite comentários